quinta-feira, 7 de abril de 2016

A depressão e o tempo

Estamos vivendo em tempos estranhos. Estamos imersos num sistema de aceleração de todas as coisas e processos, que nos tem levado a todos a um estado de exaustão que não nos deixa.
Vivemos uma esquizofrenia psíquica porque, além de acelerados e ansiosos, estamos também deprimidos.
E é interessante como essa coisa chamada tempo se processa numa pessoa que está num estado deprimido.
O descompasso se inicia ao primeiro abrir dos olhos pela manhã. Na verdade, ele já está instalado porque a noite anterior não foi de descanso, pois o estado ansioso atrapalhou por demais o sono, durante o qual não se teve a experiência da profundidade.
O tempo parece um grande navio embora a gente quisesse que ele fosse um jato. E aí o nossa mente e espírito começam a batalha de desacelerar o impossível.  Pelo menos para quem está de fora.
Levantar da cama para ir ao banheiro já é uma tarefa olímpica. Engraçado que os minutos andam da mesma maneira, mas o corpo refém da mente rebelde se agarra nos ponteiros do relógio para atrapalhar o percurso linear das horas.
Aqueles 15 minutos até poder sair do quarto e ir preparar um gole de café na cozinha estão já multiplicados por quatro no corpo, porque foi essa a proporção de energia gasta para fazer essa tarefa.
No caminho para o trabalho as coisas parecem não fazer muito sentido porque não entendo como as pessoas estão num estágio de energia vital que eu não consigo nem vislumbrar. E assim passa o dia. Quando chega a hora do almoço parece que já se viveu uma vida. O dia continua e assim ele termina.
A dimensão do tempo é algo que muda radicalmente num processo depressivo. A baixíssima libido, a energia de vida, transforma o deprimido num ser fora do tempo. Aquém dele. Pois simplesmente tudo parece que leva pelo menos o dobro para se realizar, mesmo que seja um pensamento. Quando se tem que ir do nível da ideia para a esfera da ação aí a energia gasta parece quadruplicar, e o fim do dia parece o fim de uma guerra. Um cansaço sem fim de ter que carregar nas costas o peso das horas que correm e se arrastam ao mesmo tempo, onde o que se produziu foi pensamento demais e ação de menos.
É preciso levar em consideração essa diferente dimensão do tempo para uma pessoa deprimida. Não é preguiça. Não é má vontade. É o ser abandonado pela própria libido. É o se trancafiar no eu sem medir as consequências porque não consegue sequer vê-las.
Levar em conta esse tempo não é ajudar a pessoa a se afundar. É apenas compreendê-la. Ajudá -la a acelerar uma rpm que seja, mas não querer inseri-la numa corrida na qual ela não está em condições de estar presente naquele momento.
O tempo foi mercantilizado. Minutos viraram dinheiro. Mas os processos emocionais não obedecem a essa lógica, por isso a importância de dar tempo para quem não consegue viver o tempo de caça-níqueis que empurra a sociedade.
Mais mão estendida e menos julgamento pode ser muito mais proveitoso.