segunda-feira, 1 de novembro de 2010

NÃO SOU UMA PESSOA SUAVE

Já explico.

O meu post anterior sobre política pode ter parecido estranho pois aqui no blog todos vêem o meu lado mais extrovertido. Mas não sou só isso.

Nunca fui conhecida por ser uma pessoa suave, mansa, virtudes estas que persigo de um tempo pra cá. E por quê?

Porque acho que devemos exercitar lados nossos que existem, mas que não aprendemos a lidar com eles, ou que não temos, mas desejaríamos ter.

Nunca fui uma pessoa suave. E essa aspereza por muitas vezes também me machucou bastante. E por isso, na casa lá dos 30, que no meu caso já vai mais longe do que eu gostaria, resolvi recorrer à terapia para exercitar coisas e me descobrir mais.

Confesso que tem sido bem doloroso, pois ainda me submeto a sessões com um terapeuta , mas também acho que as perdas e ganhos foram todos no fim das contas benéficos pra mim.

Mas estou em busca de mim. Às vezes me arrepio com o que encontro no caminho: uma pessoa intransigente, assassina de opiniões alheias, seca e durona. Mas sou eu. E estou em constante transformação.

Aí mais adiante encontro a Crica engraçada, que todos gostam (ou não rs), mas a vejo triste e escondendo-se do mundo. A Crica palhaça também se cansa do picadeiro às vezes. Como eu disse, é um constante processo de mudança e ela volta a sorrir.

O fato é que tenho procurado ser mais mansa, mais bem resolvida, mais ouvinte, ou até mais algo que apareça no meio do caminho.

Mas eu não páro. Não sei se para o bem ou para o mal, mas espero que para o bem de todos e felicidade geral da nação chamada Cristina Viegas.

Té mais!