quarta-feira, 19 de setembro de 2007

O AMOR NO MUNDO MODERNO



Eles permitem-se mais de um relacionamento amoroso simultâneo, não vêem o sexo como a base de uma relação, seguem o impulso natural do ser humano de se relacionar com várias pessoas ao mesmo tempo e não sentem ciúme.
Se você acha que esta descrição parece mais um roteiro de comédia romântica se enganou. Trata-se de uma real e diferente maneira de amar chamada de "poliamor", que descreve relações amorosas que recusam a monogamia como princípio ou necessidade. A advogada Lindsay Sallete Custódio, 27 anos, afirma ser uma poliamorista assumida, já que sempre foi contrária à monagamia. De acordo com ela, uma só pessoa não é capaz de complementar a outra em todos os aspectos e nem pode ser obrigada a carregar esta responsabilidade ao longo da vida."Já permiti que um ex-namorado tivesse um relacionamento com outra pessoa. Também não me incomodaria, nem me sentiria culpada, em conhecer outra pessoa, assim como adoraria que aceitassem o fato de eu poder me relacionar com mais de uma pessoa ao mesmo tempo", conta a advogada. "Sei que a maioria das pessoas não aceita este tipo de comportamento, seja por razões religiosas ou devido à errônea crença de que amor requer exclusividade", acrescenta.
Segundo a psicanalista e sexóloga Regina Navarro Lins, autora do livro A Cama na Varanda, que possui um capítulo dedicado especialmente ao sentimento poliamorista, o amor romântico, calcado na idealização de que uma pessoa pode completar outra e que os dois parceiros vão se transformar numa só pessoa, está saindo de cena e levando com ele a exigência de exclusividade, resultando no chamado poliamor.Regina explica que os poliamoristas argumentam que não se trata de procurar obsessivamente novas relações pelo fato de ter essa possibilidade sempre em aberto, mas sim de viver naturalmente tendo essa liberdade em mente. "Para eles, o poliamor pressupõe uma total honestidade dentro da relação", conta a psicanalista e sexóloga.
Para o músico Ernesto* (que não quis revelar seu nome verdadeiro), 28 anos, o poliamor é um treinamento para liquidar o ciúme possessivo. "É uma alternativa de relacionamento diante dos padrões que ainda seguimos", declara o músico.Casado há três anos e três meses, Ernesto* conta que apesar de ter muita simpatia por este tipo de relacionamento e de conversar exaustivamente com a sua mulher sobre o assunto, eles ainda não conseguiram se tornar um casal "poliamorista praticante", embora julguem ter uma liberdade bem maior do que os casais tradicionais."
A maior vantagem do poliamor é a sinceridade. Ser sincero com você mesmo e com seu parceiro. As pessoas se dividem em dois grupos: as que traem e as que não traem mas sentem vontade. No primeiro caso, você está mentindo para a pessoa com quem deveria ser o mais leal possível. No segundo caso, você está sendo desleal com você mesmo. Se você ama uma pessoa incondicionalmente, quer que ela seja feliz", diz Ernesto*.
O escritor e consultor de Recursos Humanos Igor Rafailov concorda que no casal poliamorista há mais negociação e cumplicidade. "O amor não necessita ser monopolizado na monogamia. No poliamor você tem clareza dos sentimentos, paz de espírito afetivo e está longe da solidão sempre, além de reduzir as frustrações e magoas nas relações", comenta Rafailov.
A escritora Regina Navarro Lins conta que o poliamor existe como movimento organizado nos Estados Unidos há mais de 20 anos. Ela ainda explica que em novembro de 2005 foi realizada a Primeira Conferência Internacional sobre Poliamor em Hamburgo, Alemanha.Segundo Regina, um dos principais motivos para que o poliamor ganhe cada vez mais adeptos é porque um amor baseado na amizade e no companheirismo está surgindo, além de que a cada dia há menos idealização do outro e você pode se relacionar com a pessoa do jeito que ela é. "Sem a idéia de encontrar alguém que te complete, abre-se um espaço para outros tipos de relacionamento, com a possibilidade de se amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo", enfatiza Regina.



fonte: site Terra.

Um comentário:

Lucia Stevenson disse...

Discordo 100% com esse tipo de vida, mas cada um tem a sua...

A pessoa com quem escolhi viver o resto da minha vida, me completa por inteiro e vice versa. Claro que a medida que o tempo passa, a gente cresce e aprende mais coisas sobre um o outro, mas o carater basico da pessoa continua ali e isso nao muda.

Comecamos como amigos, namoramos bastante tempo pra nos conhecermos melhor, e so assim tomamos a decisao de que um era pro outro. Crescemos juntos nesses anos todos mas somos os mesmos de antes, e continuamos amando a pessoa com quem escolhemos pra compartilhar essa vida.

Pra mim, nenhum outro consegueria tomar seu lugar.