quarta-feira, 14 de junho de 2006

Quando não acontece...


A gente fica pensando por que muitos dos nossos sonhos são impedidos de vir à vida real, fiacndo apenas dentro de nós...
Parece que por mais que a gente faça, tornam-se mais distante de nós algumas realizações...
A gente calcula tudo, gasta noites e dias planejando, e quando parece que está tudo finalmente encaminhado, uma foeça externa (ou interna, sei lá) faz tudo se mover de forma diferente e incompatível com a concretização do que queremos...
E nesse momento, filosofar em cima do problema só atrapalha e deixa a gente mais frustrado ainda... a gente quer ter apenas o direito de ficar com raiva e triste, e de xingar meio mundo...como eu disse, nada de filosofia numa hora dessa. Simplesmente porque a gente é mortal, e imaturo, e gente de carne e osso. E acredito que esse momento precisa ser assim mesmo, porque esse negócio de fingir que não tá acontecendo é pra nossos momentos ou de maturidade ou de loucura mesmo...rs... sei lá...
E fingir que não tá acontecendo é o que a gente mais aprende desde criança, quando ouve:"para de palhaçada que o remédio no seu machucado não tá doendo nada!" E como diz Lulu Santos, "aí veio a adolescência"..rs, e ensinam que a gente deve abraçar e beijar aqula tia insuportável que diz que a gente tá gorda ou horrorosa toda vez que ela vai na nossa casa, simplesmente fingir que a gente não tem vontade de dar na cara dela e daquele filho dela ( nosso primo, por sinal), que ri bem quietinho olhando pra gente enquanto ela nos diz "impropérios de tia, para o nosso bem" .
Aí a gente vira adulto e aprende que deve deixar pra lá quando um "amigo" de faculdade nos passa a perna nas portas da formatura, e quase estraga anos de ralação...e por aí vai...
Fora os milhões de vezes que temos que fingir que nda ouvimos quando o nosso marido nos ofende "pro nosso bem"...e mais uma vez vem o fingir que aquilo não tá acontecendo de fato , pra gente não se aborrecer, mesmo porque triste a gente já ficou mesmo..
E é assim mesmo...
Só que quanto mais a gente finge, mais remédio de tarja preta pra tudo que é doença a gente vai tomar no futuro...e aí a gente se fingir que não ´t doente de tanto engolir, pode acabar morrendo.
Perdoem o tom do post, mas se eu fingisse até aqui, eu mesma me internaria.
Até mais.

4 comentários:

Mila Viegas disse...

Neste caso, depende de como se encara a situação no momento. Se você encara como "fingir", então não se force a "fingir" pura e simplesmente para agradar a alguém. Também, depende do que cremos, do nosso ponto-de-vista em relação aquela situação. Uma vez, o meu terapeuta me disse que sempre existem outros caminhos e que tudo vai depender do meu estado de realização naquele instante. Porém, cada um (por ser único) encara as adversidades de formas diferentes.. e isso que é bacana, porque é isso que gera experiências e nos faz poder compartilhá-las ou não.
Realmente, a gente parece ser condicionado desde pequeno a agir de forma "politicamente correta" e não sei até que ponto isso pode nos afetar seriamente. Como eu disse, depende do "olhar".
Do meu modo, não acredito ser filosofia pensar que "Não era este o momento" e isso não me faz sofrer menos e nem me contentar com um resultado não satisfatório pra mim... Na minha crença, o "Não era pra ser" me faz pensar no seguinte: "Não era pra ser daquele jeito e naquele momento". Isso, dentro dos meus projetos de vida, me faz retroceder, mas não desistir. Só desisto quando avalio que deixei de querer concretizar o que tinha em mente, porém, se não deixo de querer, busco refletir em outras possibilidades. Mas, mesmo assim, nem sempre o momento chega da forma que eu imaginava ou na hora que eu queria. Isso, sou eu! Funciona pra mim! Pode parecer "contentamento", mas meus pensamentos nem sempre mudam completamente o foco, podem sim mudar de direção e graças a Deus que temos a capacidade de pensar, refletir, analisar.
Idéias podem ser boas, mas de repente, não era o "nosso momento". Por vezes, eu me pergunto: E quando virá o meu momento?... Das experiências por mim vivenciadas desde a época da faculdade, me engajei em muitas causas (não por utopia e sim por enxergar possibilidades), trabalhei dias e noites com afinco... posso dizer que todo o dinheiro que ganhei neste tempo todo não foi equivalente ao trabalho empregado. Em algumas ocasiões, revi meus planos e desisti, mas não por incapacidade de concretizá-los e sim por falta de motivação para a coisa, por aquilo ali não fazer mais sentido pra mim no momento e por outras portas terem se aberto em meio às minhas potencialidades. Talvez, se eu tivesse insistido "brecaria" minha criatividade de resolução de problemas, e quem sabe estaria frustrada por não sentir mais prazer.
A vida tem um quê de filosofia, mas precisa de muito mais jogo de cintura e criatividade. Sofrer é tão válido quanto se realizar... e que se sofra por inteiro, e que se viva o momento de sofrimento sem receio... mas que não se viva em função do sofrimento. Somos seres humanos sim, imperfeitos e cheios de mágoas por certas coisas. Dói, mas faz parte da nossa natureza. Mas que sejamos pró-ativos para podermos enxergar além deste primeiro sentimento "instintivo"... a vontade pura e simples de desistir.

Crica disse...

Não é vontade de desistir não...não mesmo...
Apenas locas colocações na minha hora de tristeza...

Lucia Stevenson disse...

Cris, eu sei mt bem como e' frustrante não conseguir realizar um sonho, mas aprendi que a coisa mais importante e' não desistir.

Fique triste, chore um pouquinho, mas levanta a cabeça e tenta de novo (se for realmente o que v/ quer). Aprenda com o que deu errado, com o que aconteceu e siga em frente. O importante aqui e' levantar a cabeça e não se fazer de vitima, pois senão sua vida acaba.

Sua atitude pode te levar a lugares maravilhosos nessa vida, mas ao mesmo tempo pode ser sua pior inimiga.

E não finja não. Vivemos numa sociedade com gente de tudo quanto e' tipo... aprendemos a ser educados um com outro, mas não se restrinja ou mude quem voce e' so pra agradar os outros. Tem hora pra tudo e certas coisas as vezes tem que ser postas pra fora.

Crica disse...

Valeu muito a força, minhas amigas queridas...
Eu tava mal à tarde, já chorei e melhorei...
Muitas saudades do meu pai tb, não tenho andado muito bem..
Brigada por tudo, valeu mesmo.